Colesterol alto ou baixo: quando ele é prejudicial?

Vita-6.jpg

Você certamente já ouviu alguém dizer que foi ao médico e ouviu recomendações para cuidar melhor da alimentação por estar com o colesterol alto.

Mas afinal, você sabe bem qual é a influência do colesterol em nossa saúde? Quando o colesterol alto — ou baixo — é prejudicial? Esclareça suas dúvidas sobre o assunto agora mesmo!

Em primeiro lugar, o que é colesterol?

Embora a princípio a palavra pareça ter uma conotação negativa, o colesterol é uma gordura essencial para células de estruturas importantes do organismo, como o cérebro, o coração, os nervos, os músculos, o fígado e o intestino, por exemplo.

No entanto, ele só circula pelo corpo quando ligado às chamadas lipoproteínas, moléculas que podem ser de dois tipos: LDL, também conhecida como “colesterol ruim”, de baixos níveis proteicos, ou HDL, o chamado “colesterol bom”, que possui altos níveis proteicos e auxilia na eliminação do altos níveis de LDL do sangue.

Qual a diferença entre o “colesterol bom” e o “colesterol ruim”?

Em altos níveis, o LDL, o “colesterol ruim”, é fator de risco para uma série de doenças cardiovasculares. Quando o LDL se acumula nas artérias, ele reduz ou bloqueia a passagem do fluxo sanguíneo, diminuindo a oxigenação do coração, o que pode provocar dores no peito e, em casos mais graves, um infarto.

Já o HDL tem como função, em palavras simples, “recolher” o LDL que está se acumulando nas paredes das artérias, evitando assim que elas fiquem entupidas e reduzindo os riscos de infartos e derrames. Por isso, manter bons níveis de HDL é tão importante quanto baixar os de LDL.

Quais são os principais sintomas do colesterol alto?

Na verdade, o colesterol alto, por si só, não provoca nenhum sintoma específico. Por isso, é comum que as pessoas passem muito tempo sem se dar conta do problema e só percebam quando descobrem complicações cardiovasculares mais sérias.

A única maneira de saber quais são os os seus níveis de colesterol e garantir que a sua saúde não corra riscos desnecessários é submetendo-se a exames de sangue dentro de programas de check-ups periódicos, que poderão avaliar tantos os níveis de HDL quanto de LDL.

A alimentação é a única culpada pelo colesterol alto?

Não. Embora manter uma dieta equilibrada seja muito importante para quem deseja controlar os índices de LDL e garantir uma vida mais saudável, o fator genético é o principal determinante dos níveis de colesterol.

Isso quer dizer que alguém que tenha uma alimentação que priorize as gorduras pode ter níveis baixos de colesterol porque o seu fígado tem facilidade para metabolizar o macronutriente, enquanto outra pessoa com uma alimentação mais saudável pode apresentar dificuldades na eliminação do excedente.

Quais são as formas de tratamento do colesterol alto?

Somente o médico,  com base na análise dos resultados dos seus exames, pode avaliar corretamente se os níveis de LDL no seu sangue estão adequados e, em caso negativo, que medidas deverão ser adotadas para garantir uma dosagem normal.

Em geral, quando os níveis de LDL estão altos e os de HDL estão baixos, a  recomendação médica é de uma mudança no estilo de vida, que inclui:

  • adoção de uma dieta saudável;

  • prática regular de exercícios físicos;

  • evitar cigarro, bebidas alcoólicas e o excesso de peso.

Alguns alimentos são comprovadamente úteis na manutenção dos índices adequados de colesterol. Conheça alguns dos principais:

  • oleaginosas, azeitonas e abacate: apesar de calóricos, esses alimentos são ricos em gorduras mono e polinsaturadas, as chamadas “gorduras do bem”, que reduzem a produção de colesterol sem alterar os níveis de HDL.

  • laranja, mamão e beterraba: as frutas são ricas em vitamina C, E, betacaroteno e antioxidantes, que ajudam a proteger as artérias e vasos sanguíneos da ação dos radicais livres.

  • soja: as isoflavonas presentes no grão combatem a formação das placas de gordura nas artérias enquanto os fitosteróis diminuem a absorção do colesterol. Além disso, as proteínas do alimento ainda fazem com que os receptores do fígado atraiam a gordura.

  • aveia: rico em fibras  solúveis, o cereal auxilia na eliminação do colesterol pelas fezes.

Adicionalmente, nos casos em que a mudança nos hábitos não surte os efeitos desejados, o médico poderá prescrever também um tratamento medicamentoso, geralmente à base de estatinas, substâncias que bloqueiam a síntese de colesterol no fígado.

Como você pode ver, adotar hábitos saudáveis, como manter uma alimentação equilibrada, praticar atividades físicas regularmente  e realizar exames de rotina periodicamente é essencial para quem deseja manter os índices de colesterol sob controle e diminuir as chances do surgimento de doenças mais graves, como infarto e derrames.

Gostou de saber um pouco mais sobre o que é colesterol alto, como identificá-lo e qual é o tratamento ? Então não se esqueça de assinar agora mesmo a newsletter do Vita Check-Up Center para receber em seu e-mail notícias atualizadas sobre saúde e bem-estar!


Vita-5.jpg

Vacinas, rotina de pesagem e outras rotinas médicas são bastante comuns no dia a dia dos pais de bebês e crianças pequenas. Já quando o assunto é acompanhamento médico na adolescência, as coisas tendem a ser um pouco diferentes.

Existem inúmeros motivos para isso: nessa época o número de vacinas obrigatórias é bem menor, eles tendem a ter sua própria rotina e demandam menos cuidados com a sua fase de crescimento.

Mas isso não significa que os check-ups, decisivos para a saúde, e consultas médicas devem ser deixados de lado nessa fase: o acompanhamento médico na adolescência é essencial para garantir mais saúde e bem-estar – e você vai entender o porquê com a ajuda da leitura a seguir.

Do pediatra ao acompanhamento médico na adolescência

Por volta dos 14 anos – às vezes mais cedo, às vezes mais tarde – a maioria das crianças já começa a se sentir deslocada no consultório do pediatra.

Por ser uma fase repleta de transições físicas e hormonais, muitos adolescentes podem se sentir mais à vontade ao conversar com um médico individualmente, em vez de ter um dos pais junto na sala de exames.

O ideal é que tanto os pais quanto o profissional perguntem ao paciente se ele quer ou não a presença dos pais e se estão confortáveis com isso.

Uma dica é procurar um hebiatra, profissional especializado em acompanhamento médico na adolescência. Questões como as mudanças físicas e emocionais – muito comuns nesse momento do desenvolvimento, maturação sexual, puberdade e outros pontos podem ser trabalhados com mais facilidade, fazendo com que o adolescente tenha mais espaço para discutir as questões mais comuns a essa faixa etária.

Check-up da saúde física

Além de todas essas questões, é preciso manter uma rotina para verificar a saúde física do adolescente. Neste momento, o profissional de saúde analisará o histórico médico do paciente e avaliará sua saúde atual avaliando:

  • Altura;
  • Peso;
  • Condições oculares;
  • Coração;
  • Pulmões;
  • Braços, mãos, pernas e pés;
  • Reflexos;
  • Qualidade do sono;
  • Pressão sanguínea;
  • Saúde da coluna / escoliose.

Uma parte importante do acompanhamento médico na adolescência envolve uma abordagem mais específica com relação ao gênero por parte do especialista.

No caso das meninas, pode haver a indicação para um exame ginecológico e de mamas (especialmente para aquelas que estão prestes a entrar ou que começaram a ter ciclos menstruais recentemente).

Já os meninos podem receber a indicação para exames relacionados a hérnias, desenvolvimento dos órgãos sexuais, entre outros.

Além disso, é preciso informar e preparar os adolescentes para o possível início da vida sexual. Para isso o especialista pode dar maiores informações sobre proteção conta doenças sexualmente transmissíveis (DST) e métodos contraceptivos eficazes.

Saúde emocional na adolescência

Adolescentes estão entre os grupos que mais merecem atenção especializada quando se trata de suas emoções.

A depressão na adolescência é uma questão que merece atenção máxima. De acordo com a ONU – Organização das Nações Unidas, o suicídio só perde para a violência como uma das principais causas de morte de jovens entre 15 e 29 anos.

A transformação da criança para o adulto é tanto mental quanto física – o que pode sobrecarregar qualquer um. Some isso ao bullying e outras questões, como as alterações no corpo e humor, e o resultado pode ser bastante delicado.

É claro que os adolescentes nem sempre estão dispostos a falar sobre seus sentimentos com os pais – mas podem estar dispostos a conversar com um médico com quem se sintam à vontade (e a garantia da confidencialidade do médico-paciente também ajuda).

Além de verificar a saúde física, o acompanhamento na adolescência deve incluir alguns temas de desenvolvimento para avaliar a saúde emocional. Alguns desses tópicos incluem:

  • Puberdade;
  • Desenvolvimento sexual;
  • Uso de substâncias como álcool, drogas, tabagismo;
  • Nutrição;
  • Gerenciamento de estresse (na escola e no trabalho);
  • Autoestima / imagem corporal;
  • Relações com amigos, parceiros e familiares.

Acompanhamento médico na adolescência exige participação ativa do paciente

Poucos anos separam a adolescência da vida adulta – e o tempo está passando cada vez mais rápido.

Então esta pode ser uma grande oportunidade de ajudar os adolescentes a assumirem mais responsabilidade pela administração de suas próprias vidas. E a assistência médica deles é parte disso.

Isso ajuda os adolescentes a aprenderem sobre planejamento antecipadamente, fazendo escolhas e sendo responsáveis ​​por si mesmos. São exatamente algumas das habilidades que eles mais precisarão na idade adulta.

Então estimule a participação deles durante o acompanhamento médico na adolescência: deixe que eles marquem as consultas, de acordo com suas próprias agendas ou que tenham voz ativa em seus tratamentos.

Seja um bom exemplo!

Embora possa ser necessário um esforço extra e um pouco de paciência de sua parte no início, envolva os adolescentes na tomada de decisões sobre cuidados de saúde podem torna-los mais independentes ao administrar seus próprios cuidados de saúde.

Isso pode ficar ainda mais fácil quando você faz o mesmo por sua saúde. Por isso mantenha sua rotina de check-ups em dia, visite os especialistas regularmente e mantenha bons hábitos – assim você garante seu bem-estar e ainda inspira aqueles ao seu redor.

Com o VITA Check-up você pode garantir um acompanhamento médico na adolescência para seus filhos: clique e saiba mais.


Vita-4.jpg

Você já conhece os benefícios da atividade física para sua saúde e forma física: perda de sobrepeso, melhora nos índices glicêmicos e de colesterol e muito mais.

Mas já parou para pensar o que meia hora de caminhada por dia pode fazer pelo seu emocional?

De fato, manter-se ativo por 15-30 minutos todos os dias – seja caminhando, andando rápido, correndo, dançando ou praticando esportes de alto impacto – pode ajudar a ter uma vida mais feliz e mentalmente saudável.

Não acredita? Então leia esse artigo e descubra nove benefícios da atividade física – e como eles podem ajudar em seu bem-estar mental.

1) Redução do estresse

A atividade física é altamente benéfica na redução do estresse. Sempre que você se sentir estressado, dê uma caminhada ou corra – a mudança de humor é notada rapidamente.

Lembre-se que o estresse não só dificulta seu sono à noite, mas também prejudica suas funções imunológicas. Então mexa-se sempre que o estresse bater à porta.

2) Tratamento eficaz para depressão e ansiedade

Depressão e ansiedade são problemas de saúde mental sérios e ninguém deve ignorá-los.

Além de contar com aconselhamento e tratamento especializado, os pacientes que sofrem com a depressão devem apostar nos benefícios da atividade física.

O exercício ajuda a liberar a serotonina, o hormônio do “bem-estar”, que ajuda a elevar seu humor e que pode trazer mais qualidade de vida.

3) Pressão arterial sob controle

A hipertensão arterial aumenta os riscos de ataques cardíacos, derrame e pode até levar à morte.

Suas principais causas envolvem maus hábitos alimentares, um estilo de vida sedentário e / ou genes herdados. Se você sofre de hipertensão ou pressão alta – ou quer evitar o problema – você deve cuidar de sua dieta e começar a se exercitar.

4) Memória em forma

Tanto a função cerebral quanto a memória são influenciadas pelo exercício físico. Cientistas confirmaram que entre os benefícios da atividade física estão a prevenção da perda de tecido cerebral relacionada à idade, melhora do tempo de atenção e o aumento da capacidade de processar informações rapidamente.

5) Melhora da qualidade do sono

Manter-se ativo com certeza tem alguns bons efeitos no sono. Apostar em uma atividade física durante o dia ajuda a induzir o sono de boa qualidade.

Quando você descansa adequadamente, seus músculos, ossos e cérebro ficam rejuvenescidos, o que lhe permite tomar melhores decisões no dia seguinte. O exercício físico é um dos melhores, mais seguros e mais baratos tratamento para a insônia.

6) Níveis de energia a mil

Sentir-se fatigado e com pouca energia o tempo todo é um dos problemas mais comuns que enfrentamos hoje. As razões podem variar do esgotamento emocional à vida sedentária.

Mas o melhor remédio que você pode tomar é a adoção de uma rotina regular de atividade física.

Outro dos benefícios da atividade física é o aumento de produtividade – é por isso que muitas empresas investem em ginástica laboral ou promovem iniciativas para manter seus colaboradores ativos.

7) Mais autoconfiança

Se exercitar ou ser fisicamente ativo melhora sua confiança e autoestima. Estimular a energia positiva em seu corpo traz muitos benefícios para a sua saúde física e mental.

Como já falamos em um dos tópicos anteriores, praticar exercícios ajuda a combater a depressão, o estresse, a obesidade e vários problemas de saúde – questões que afetam diretamente a autoestima e a confiança de um indivíduo.

8) UP na vida sexual

Assim como o flerte saudável é bom para o coração, o exercício é bom para quem busca uma vida sexual mais ativa e satisfatória.

E isso não é apenas para indivíduos perfeitamente saudáveis: mulheres que sofrem de depressão e esclerose múltipla, casais que lidam com câncer de próstata e homens com disfunção erétil podem obter muitos benefícios da atividade física.

9) Exercício pode ser divertido … e social!

Exercício e atividade física trazem uma oportunidade de relaxar, desfrutar de ambientes ao ar livre ou simplesmente de participar de atividades que trazem bem-estar.

Por isso aposte em aulas de dança, faça trilhas ou participe de um time de futevôlei. Encontre uma atividade física que você goste: tente algo novo ou faça algo com amigos.

Os benefícios da atividade física incluem ainda uma conexão maior com amigos e família, além de mais saúde e qualidade de vida.

Gostou das dicas sobre os benefícios da atividade física? Então acompanhe as redes sociais do VITA Check-up para saber ainda mais!

Facebook - Vita Check-upTwitter - VITA Check-upLinkedIn - VITA Check-up


Vita-3.jpg

O culto ao corpo ganha novos contornos no verão. Todo ano, nesta época, a mesma cena se repete: milhares de brasileiros e brasileiras tentam emagrecer a qualquer custo para “chegar bem” e exibir o corpo na estação mais quente do ano.

Na busca pelo visual perfeito, as pessoas cometem até irresponsabilidades, como uma dieta desregulada, o excesso de exercícios sob o sol e outras práticas que podem abalar a saúde de forma grave. Afinal, não adianta nada se descuidar durante o ano e correr contra o tempo às vésperas do verão.

Muitas pessoas deixam de praticar atividade física e fazer dieta no decorrer do ano para, perto do verão, passarem a se preocupar com a aparência. Uma vida de dieta desregrada e sedentarismo, pode acreditar, não é consertada nas férias de verão.

Essa é a época, inclusive, que especialistas e médicos recomendam um maior cuidado com a alimentação, hidratação e prática esportiva. Isso porque as altas temperaturas e a exposição ao sol, combinadas a uma alimentação incompleta, podem acarretar problemas de saúde – e nada pior do que perder as férias por causa disso, não é?

Os perigos das dietas de verão

Dieta da sopa, dieta dos líquidos… essas são apenas duas invenções perigosas que fazem as pessoas de desdobrarem no final de ano para perder peso. Mas não se engane: a melhor forma de cultivar um corpo legal é manter uma dieta equilibrada e saudável.

Ingerir um baixo teor calórico, ainda mais em um ambiente quente e com a prática de exercício físico, pode ser a gota d’água para um problema de saúde mais sério, como uma desidratação, insolação ou até mesmo falta de glicose no sangue.

Antes de seguir qualquer dieta é aconselhável a consulta com um profissional especializado, que deve orientar a alimentação e a prática esportiva de forma que beleza e bem-estar caminhem na mesma direção.

Cada pessoa tem uma necessidade e, portanto, precisa de uma dieta balanceada e personalizada. Tudo isso deve ser acompanhado por uma mudança de hábitos, já que de nada adianta se alimentar de forma saudável e não seguir o cronograma de atividades físicas. Fazendo isso, é capaz de você nunca chegar ao resultado desejado.

Fazer exames de rotina, um acompanhamento especializado com o médico, bem como atividade física, são fatores que vão ajudar a fortalecer sua saúde e proteger de eventuais problemas. Lembre-se: é melhor prevenir do que remediar, sobretudo em se tratando de saúde.

Abaixo vamos listar algumas dicas que podem ajudar a moldar sua dieta de verão. Veja a seguir:

  • Alimentos in natura, ou minimamente processados, devem ser a base da alimentação;
  • Prefira os alimentos produzidos na hora, mas atenção com a procedência;
  • Frutas, verduras, legumes e água mantêm a hidratação do corpo;
  • Cuidado com as dietas que recomendam restrição a nutrientes;
  • Evite alimentos ultraprocessados;
  • Limite o consumo de bebidas açucaradas como refrigerantes

Um resultado verdadeiro e duradouro só é alcançado com uma dieta balanceada, equilibrada e correta para as necessidades de cada paciente. Nesse aspecto, a realização de exames de rotina podem ser decisivos para ajudarem na elaboração da dieta e, inclusive, monitorar seus resultados e benefícios ao longo do tempo.

A Vita Checkup tem profissionais especializados no acompanhamento e recomendação a pacientes que desejam levar uma vida mais saudável sem descuidar do bem-estar durante a dieta.


Vita-2.jpg

Fadiga, cansaço. Você acha que é tudo a mesma coisa? Pois acredite, há muita diferença. É importante entender como identificar adequadamente cada um dos problemas, já que eles requerem cuidados específicos para garantir uma melhor qualidade de vida. Saiba mais!

Afinal, qual é a diferença entre fadiga e cansaço?

O cansaço é um sintoma físico ou mental que está diretamente relacionado ao esforço realizado ao longo do dia. É aquela sensação de desconforto que você sente quando realiza uma atividade física muito intensa ou tem um dia muito corrido no trabalho.

Já a fadiga é um esgotamento caracterizado por uma intensidade desproporcional às atividades do seu cotidiano. Em palavras simples, na fadiga, você se sente muito mais cansado do que seria esperado para o seu nível de esforço naquele período, seja físico ou mental.

Quais são as causas da fadiga?

A fadiga pode estar relacionada a uma série de fatores. Conheça alguns dos mais comuns!

Estilo de vida

Sim, o cansaço desproporcional provocado pela fadiga pode estar relacionado ao seu estilo de vida e a hábitos pouco saudáveis.

Portanto, se você quer um cotidiano com mais energia e disposição, evite consumir bebidas alcoólicas e cafeína em excesso, mantenha uma dieta equilibrada e pratique exercícios físicos regulares, uma vez que o sedentarismo e a alimentação desregrada também estão ligados ao problema.

A fadiga também pode estar relacionada ao consumo de drogas, ao sono irregular provocado pelo estresse e aos distúrbios do sono, como a insônia e a apneia do sono.

O uso contínuo de alguns medicamentos, como anti-histamínicos e xaropes para tosse, também é um dos causadores desse cansaço desproporcional.

Questões psicológicas

Assim como o estilo de vida, questões psicológicas também podem estar por trás da fadiga. Quadros de depressão e ansiedade muitas vezes têm o cansaço desproporcional e a falta de energia para a realização das atividades diárias como um dos seus principais sintomas.

Condições médicas

A fadiga surge como sintoma de uma infinidade de doenças com as mais variadas origens, tais como:

  • Hiper ou hipotireoidismo:  ainda que sejam distúrbios opostos, ambos têm a fadiga como sintoma. No primeiro caso, a aceleração do metabolismo faz com que o corpo realize um esforço desnecessário e sinta-se cansado mesmo sem praticar atividade física. Já no hipotireoidismo, as alterações metabólicas deixam o organismo mais lento, provocando esgotamento ainda que não haja nenhum esforço;

  • Diabetes: quando a doença não é controlada da maneira adequada, o corpo perde líquidos e fica desidratado, o que pode provocar a fadiga;

  • Anemia: a doença provoca uma diminuição da hemoglobina, substância que é responsável pela diminuição do transporte de oxigênio e nutrientes pelo sangue, o que aumenta o trabalho do coração e provoca o cansaço extremo;

  • Alergia ao glúten: a proteína que forma o glúten causa uma irritação no intestino, o que diminui a absorção de outros nutrientes e, entre os problemas, provoca a fadiga;

  • Doenças cardiovasculares: quando o coração está fragilizado ou dilatado, não bombeia sangue com a eficiência habitual, provocando fadiga mesmo após a realização de tarefas simples, como pequenas caminhadas. Portanto, esse é um dos primeiros sintomas de que algo não vai bem com o órgão;

  • Fibromialgia: a doença, que provoca dores por todo o corpo, tem como a fadiga um dos seus principais sintomas. Os portadores dessa síndrome costumam sentir um cansaço extremo, que se estende ao longo do dia e não melhora nem mesmo quando a pessoa busca fazer uma pausa em suas atividades.

Quais são as principais consequências da fadiga no dia a dia?

Como você já sabe, a fadiga é caracterizada por uma sensação de enorme desgaste e de falta de energia. Por isso, quem sofre com o problema também costuma apresentar dificuldade para se concentrar, para tomar decisões e reter informações, o que prejudica a sua atuação acadêmica e profissional e diminui consideravelmente a qualidade de vida.

Além de diminuir a produtividade e o bem-estar, em algumas profissões, como aeronautas, cirurgiões e operadores de máquinas pesadas, por exemplo, a fadiga pode causar problemas graves e até mesmo colocar vidas em risco.

Portanto, é fundamental zelar sempre pela sua saúde física e mental visitando regularmente o médico e fazendo check-ups preventivos. Dessa maneira, qualquer eventual doença que provoque a fadiga poderá ser detectada e tratada precocemente.

Gostou de entender melhor a diferença entre cansaço e fadiga? Se você quer cuidar melhor da sua saúde, conheça os programas de check-ups oferecidos pelo Vita Check-Up Center

Contamos com tecnologia de ponta e infraestrutura completa para cuidar do seu bem mais precioso com rapidez e segurança!


Copyright 2018 VitaCheckup Center. Todos os Direitos Reservados.